Fotografar as Estrelas

Com certeza que já viste imagens lindíssimas de céus estrelados magníficos, como se fossem de outro mundo… nós queremos dar-te algumas dicas e mostrar-te que é possível fotografar as estrelas e captar imagens assim.
Com o verão chega o céu limpo, sem nuvens chatas, e as noites quentes e estreladas.
Com paciência e criatividade vais obter resultados brilhantes!Estrelas

Onde?

Precisas de encontrar um local com pouca ou nenhuma poluição luminosa, isto é, sem postes de iluminação, luzes dos carros e das janelas dos prédios.
Escolhe zonas pouco urbanas, um campo aberto ou locais altos, montanhas ou serras de preferência.
Quanto mais escuro for o local escolhido para fotografar, melhores resultados irás obter!
Não te limites apenas ao céu em si, apesar de fugires da confusão da cidade para conseguires fotografar as estrelas, procura objectos para estarem em primeiro plano, como por exemplo árvores ou rochas, isto vai fazer com a tua imagem fique ainda mais interessante.Estrelas

Quando?

Consulta a previsão do tempo para saberes se vai estar céu nublado, pois caso o céu tenha muitas nuvens não vais conseguir captar a luz das estrelas.
A aconselhamos também a fotografares em noites em que a lua está menos brilhante. A fase de Lua Nova é a ideal, isto porque a luz que a lua reflecte ofusca a luz das estrelas.Estrelas

Como?

Vais precisar de um tripé e de uma câmara fotográfica com modo manual que te permita fazer ajustes de ISO, exposição, abertura e foco.

Para conseguires captar a luz das estrelas terás de fazer uma longa exposição onde a velocidade de disparo é muito baixa, daí o uso do tripé ser muito importante para que a imagem fique bem focada.

Uma longa exposição é quando o sensor passa mais do que um segundo exposto à luz , ou seja, quando o obturador fica mais tempo aberto permitindo mais entrada de luz. O obturador é o mecanismo que abre e fecha em fracções de segundo, permitindo a entrada de luz na câmara e a exposição do sensor à luz.Estrelas

Se tiveres controlo remoto de disparo melhor ainda, se não, podes colocar em modo de disparo com temporizador de 2 ou 10 segundos, isto porque ao carregares no botão de disparo com a mão podes mover a câmara e a fotografia pode ficar desfocada.

Nesta situação a iluminação é pouca ou mesmo nenhuma, e irás ter alguma dificuldade em focar a imagem com o foco automático da câmara, por isso, aconselhamos-te a iluminares primeiro o local que queres fotografar com uma lanterna para poderes fazer o enquadramento e focar manualmente.

O olho humano não consegue captar o brilho das estrelas como as imagens de longa exposição, por isso vai fazendo testes e mudando a posição da câmara fotográfica para veres o melhor local e enquadramento e assim conseguires a imagem perfeita.

Usa a abertura máxima que a tua lente permitir e o ISO também com valores elevados. O tempo de exposição deve ser longo. Quanto mais longo, mais tua câmara vai conseguir captar as estrelas com o brilho menos intenso (as que estão mais distantes). Começa os testes com 30 segundos de exposição e vai alterando conforme o resultado.

Ao usares um tempo de exposição muito longo começas a registar o movimento de rotação da terra, fazendo com que as estrelas façam riscos no céu, a este efeito chama-se star trail (rasto das estrelas). Se for este o efeito pretendido óptimo, se não terás de reduzir o tempo de exposição.Estrelas Estrelas

Este tipo de fotografia requer paciência e alguns testes até conseguires o resultado esperado, por isso não desesperes! A prática vai levar-te à perfeição 🙂

Não te esqueças de partilhar connosco as tuas melhores imagens na nossa página de facebook!

Boas fotografias!

Dicas para fotografar flores

A Primavera é sinónimo de Flores. O tempo mais ameno já nos convida a sair de casa, os primeiros raios de sol já nos dão outra disposição. As cores desta estação proporcionam-nos fotografias diferentes, com outro encanto.

Flores
Fotografia de Gabriel Garcia Marengo

Gosta de Fotografar flores? Nós também, e por isso aqui ficam algumas dicas para conseguir aquela fotografia tão especial!

 

1. Modo Manual/ Macro

Ao fotografar em modo manual vai permitir ajustar a abertura e velocidade em relação àquilo que procura na fotografia. O ideal para fotografar flores é ser com uma grande abertura de diafragma, 1.4 ou 2.8, o que irá permitir uma maior entrada de luz e um efeito de desfoque maior dos planos que estão atrás, evidenciando os detalhes daquilo que está focado.

Diafragma
Diferentes aberturas do diafragma

 

Nas máquinas fotográficas compactas este modo tem o símbolo da flor. Está indicado para “close-ups” e fotografias de primeiro plano. Ou seja, permite-nos aproximar mais do objecto fotografado mantendo o ponto de foco.

2. A Altura do Dia

De manhã a luz é naturalmente mais suave e produz menos sombras do que durante o meio do dia. O vento é menor, o que facilita a não oscilação  da flor e permite-nos conseguir uma melhor nitidez. Pela manhã temos também a vantagem de conseguir captar o orvalho nas pétalas das flores, o que torna a fotografia muito interessante. O final do dia também é uma boa altura, até porque o pôr-do-sol dá um tom muito particular à fotografia.

Flores
Fotografia de Michael Podger
Flores
Fotografia de Axel Antas

3 –  Use a Profundidade de campo

A profundidade de campo significa que só uma determinada parte da fotografia estará devidamente focada. O objectivo é dar um destaque a uma determinado detalhe da fotografia, em detrimento do seu todo, tirando todos os elementos distractivos do fundo e concentrando a atenção na flor em si. A abertura da máquina deve estar baixa. O ISO também deve ser reduzido para evitar grão na fotografia.

4. Pormenores

Quando pensamos em flores, lembramo-nos logo também dos pequenos animais que as rodeiam, como as abelhas. São pormenores que podem dar vida às nossas fotografias, e preenche-las com um elemento diferenciador dos demais. O resultado é sempre muito bonito! Outra dica é procurar nos locais mais inóspitos, pois as flores têm a beleza de conseguir nascer e crescer nos sítios menos óbvios.

Flores
Fotografia de George Hiles
Flores
Fotografia de Dominique Knoben
Flores
Fotografia de Andy Wang

5. Ângulos diferentes

Na fotografia, o importante além dos conhecimentos técnicos é também a auto-descoberta. Seja uma máquina profissional, seja compacta, tem de conhecer bem o equipamento que tem e tudo o que pode fazer com ele. E experimente! Tente todos os ângulos possíveis e imaginários, porque nem sempre encontramos a fotografia que pretendemos a fotografar da forma mais óbvia. O ângulo com que fotografamos é a base do resultado final e da perspectiva com que olhamos para a fotografia tirada.

Flores
Perspectiva tirada debaixo da flor para cima. Fotografia de Raquel Justino
Flores
Fotografia de Aaron Burden – Nesta perspectiva o fotógrafo colocou-se por trás da flor.

 

Por isso já sabe, aproveite que o bom tempo está a chegar, e que o sol quentinho já nos convida a grandes passeios. É preciso alguma paciência para conseguir a fotografia perfeita (e por vezes, até algum contorcionismo!), mas também é certo que é uma experiência tranquilizadora, quase que funciona como anti-stress! As flores transmitem-nos toda a sua beleza, e toda a paz da sua quietude!

Flores
Fotografia de Daria Nepreakhina

E quem sabe, nas suas experiências, não vai conseguir tirar fotografias que vão merecer destaque na decoração lá de casa, ou com as quais pode, por exemplo, fazer um álbum dedicado ás flores que fotografa!

O importante é que nunca deixe de fotografar. De arriscar. De ver as coisas de mil e uma maneiras diferentes. Mas acima de tudo o importante é que nunca deixe de recordar bons momentos!

 

“NAS BRUMAS DE SINTRA”

 Cristina conheceu a paixão pela fotografia quando lhe ofereceram a primeira máquina fotográfica analógica, aos 12 anos. Hoje vê o seu trabalho reconhecido, com a exposição “Nas Brumas de Sintra”, nos Paços do Concelho, até ao dia 29 de Fevereiro.

Cristina Menezes Alves mora em Sintra há cerca de 20 anos. Quem vive em Sintra ( eu incluída!) ouve sempre falar em tom depreciativo do clima desta zona. Como se diz na minha terra, é “o pão nosso de cada dia”!

Cristina Menezes Alves

“São os nevoeiros, os dias cinzentos…é um ‘drama’! O que pretendo com este Projecto é mostrar que podemos ver algo belo nestes dias mais cinzentos. Que o micro-clima de Sintra é algo extraordinariamente belo! Basta para tal olharmos para ele com outros olhos!”, conta-nos.

Castelo dos Mouros envolto em nevoeiro

Cristina procura retratar sempre fielmente aquilo que vê, já que nem todos olhamos, nem interpretamos as coisas da mesma forma.

“Os Fotógrafos certamente que me entenderão.Nem toda a gente sabe ‘ver’! Uma boa imagem é aquela que te faz ter algum tipo de reacção ou sentimento, seja ele qual for. Para mim a Fotografia é, e será sempre, uma constante evolução. Procuro sempre melhorar o que já fiz. Eu não sei tudo, tenho muito para aprender, tenho muito para melhorar. E esta constante aprendizagem fascina-me.”, explica.

As Brumas de Sintra

Projectos não lhe faltam. Seja aqui ou acolá, garante é que Sintra estará sempre na mira da sua máquina e que “as brumas de Sintra continuarão a não ter descanso!”.

E de tantas fotos captadas, será possível escolher a melhor?

“Eu tenho um carinho especial por todas elas. Esta selecção de Fotos revela momentos únicos, momentos que já não voltam. É difícil para mim escolher uma. Mas talvez aquela em que o Palácio da Pena parece estar dentro das muralhas do Castelo dos Mouros. Já tive pessoas a dizerem-me que é fotomontagem… Não é!”, afirma.
Sala 100x66,50cm

 

Não querendo puxar a brasa à minha sardinha ( e à da Cristina!), Sintra é de facto um paraíso para qualquer fotógrafo. Cada recanto, cada passo que damos, é como um livro aberto, repleto de pormenores fantásticos para preencher as páginas em branco!

“Todos os monumentos de Sintra são Lindos e excelentes Spots Fotográficos! Para conhecer Sintra precisa-se pelo menos de 8 dias e há sempre algo que vai escapar. Não só a Serra mas também toda a costa de Sintra e as suas praias que têm uma luz fantástica! Todos os Monumentos sob a tutela dos Parques de Sintra Monte da Lua estão extremamente arranjados e são um Paraíso. A Quinta da Regaleira é extraordinária e o Palácio de Seteais é algo de especial. Para os mais destemidos toda a zona da Serra de Sintra entre os Capuchos, Peninha e o Cabo da Roca. Resumindo, em Sintra para onde quer que se vá, há sempre algo para fotografar!”, descreve-nos Cristina.
As Brumas de Sintra

 

Por isso vá! Arrisque! Atreva-se a percorrer Sintra, ou qualquer outro local do nosso país! Folheie as páginas deste álbum gigante que é Portugal, e complete-o com os seus momentos, as suas fotografias. Todos aqueles passeios e paisagens de cortar a respiração. Todos os recantos que encontrar pelo caminho…

Preencha o seu álbum, coleccione recordações e momentos que mais tarde vai adorar relembrar! Registe gargalhadas, registe pensamentos, registe cada gesto. Porque cada gesto traz uma história. E nós somos feitos de histórias. E de fotografias que registam cada percurso traçado.

O percurso da Cristina pelas Brumas de Sintra está registado e pode vê-lo até dia 29 de Fevereiro, nos Paços do Concelho, em Sintra.

cartaz da exposicao brumas de sintra

E nós desvendamos aqui só um pouquinho daquilo que poderá ver. Todas as fotografias deste artigo são da autoria da Cristina, e deixa-nos, certamente, com vontade de conhecer ainda mais do seu trabalho!

E no fim da Exposição, nada termina!

“Pretendo continuar a dar  Workshops de Fotografia, transmitindo o pouco que sei a quem quer aprender, e em breve iniciarei passeios fotográficos pela zona“, revela por fim.

Uma bela ideia, para qualquer um de nós poder dar um belo passeio e aprender ao mesmo tempo!

Quem sabe o nosso blog não lhe vai fazer uma visitinha a um destes passeios. Para acrescentarmos mais umas páginas a este nosso álbum de recordações!